VIVO NA CIDADE, MAS MEU ESPÍRITO CORRE NAS MONTANHAS

VIVO NA CIDADE, MAS MEU ESPÍRITO CORRE NAS MONTANHAS

quarta-feira, 26 de maio de 2010

TRIATHLON SANTA CECILIA TV - 2. ETAPA

No último domingo aconteceu a 2. Etapa do Triathlon Santa Cecília Tv, na praia dos milionários em São Vicente.
Com a temperatura próxima dos 23 graus, a água do mar estava muito gelada, e devido a falta de uso de minha WetSuit, decidi nadar com a roupa normal de triathlon e passei um frio lascado no mar. Como de costume não fiz uma boa natação e sai do mar na última posição na minha categoria, ou seja, 12. colocado.
Já na bike, fiz as 2 primeiras voltas do circuito um pouco solitário, mas nas próximas 2 consegui entrar no vácuo de alguns atletas e continuei em um ritmo forte, sendo que nas 2 últimas perdi o vácuo, mas consegui manter um ritmo forte, mandando entre 37 e 38 km nas retas.
Em relação á corrida, também consegui seguir em um ritmo bom e constante independente da fina garoa que chegou á atrapalhar um pouco, principalmente a parte da bike, devido ao asfalto liso.
No final completei a prova em 01:09:57, baixando assim o meu tempo em 4 minutos. Dentre os 12 atletas da minha categoria, cheguei na 4. colocação, recuperando 8 posições durante a bike e a corrida. Já em relação ao 1. colocado cheguei á apenas 00:01:18 atrás, o que chega a empolgar para a
próxima etapa.
Como cheguei em 1. lugar na primeira etapa, acredito que ainda esteja em primeiro no campeonato.







Próxima prova: Gatorade Biathlon Series - 3. Etapa - Ilhabela (12/06/2010)


Grande abraço á todos e bons treinos.

terça-feira, 4 de maio de 2010

MARATONA INTERNACIONAL DE SÃO PAULO

"Sofrimento Incomum, Dores Intensas, Caimbras Multiplas, e um grande susto no final" ..... Com largada ás 09:00 da manhã em um sol de lascar, graças á TV Globo, e minha falta de treino além de excesso de confiança, passei por um dia que até então não esperava que pudesse acontecer.
Como vinha treinando para as provas de triathlon, achei que apenas um treino de 33 km seria o bastante para encarar a segunda maratona da minha vida, afinal de contas, no ano passado completei a Maratona de Curitiba sem problema....mas não levei em consideração que me preparei arduamente durante 02 meses para aquela prova.
Ao lado da multidão de corredores, aproximadamente 20.000, estava muito empolgado para participar de mais uma Maratona. Durante a largada o sol já radiava intensamente, mas indepente deste detalhe, iniciei em meu pace planejado (5min/km) e fui mantendo até os primeiros 10 km, a partir dai meu ritmo começou a cair um pouco, mas nada fora do comum. Por volta do km 17 as coisas já começaram a se complicar, e minhas pernas começaram a pesar, fato que eu esperava que acontecesse lá pelo km 27. Devido á falta de treino comecei a sentir fortes dores já no km 22, mas minha insistência continuou me levando rumo á chegada independente das cãimbras que começavam a aumentar cada vez mais. Como de costume aos não preparados, quebrei no km 33, e fiz um pipi stop em uma arvore dentro da USP, e continuei correndo vagarosamente, mas as dores eram insuportáveis, mas aquela frase antiga não saia da minha cabeça, (O sofrimento é passageiro, desistir é para sempre) independente das consequencias que viriam depois. Daí em diante segui em um ritmo muito lento, sendo que nas subidas e descidas não aguentava forçar as pernas e era obrigado a caminhar.
Quando olhava para a frente e para os lados, avistava inumeros corredores sentados no meio fio,e outros andando passando por sofrimento semelhante ao meu.
A cada metro percorrido as dores aumentavam cada vez mais e por volta do km 38, comecei a sentir nauseas....mas como vaso ruim não quebra...continuei minha corrida rumo ao tão sonhado pórtico de chegada no parque do Ibirapuera.

Á uns 200 metros antes do pórtico, duas lágrimas desceram meu rosto, misturando com o suor, mas eu estava tão ruim que nem imagino se as mesmas eram de dor ou de emoção. Ao chegar tive tempo apenas de agradecer á Deus, conferir meu tempo no cronometro (04:09:32),pegar minha medalha e me jogar no chão.
As caimbras eram intensas, e a nausea aumentava. Tentei vomitar, mas devido a desidratação não conseguia mandar nada pra fora. Após isso encontrei meu cunhado e irmão de maluquises esportivas e aventureiras por esse mundão afora. Ele que completou sua primeira 25 km estava acabado, mas se assustou bastante ao ver o meu estado. Após um breve descanço, tentei caminhar até o carro mas andava poucos metros e voltava a se jogar no chão, e foi ai que passei por um grande susto.
Tive uma queda de pressão, minhas mãos tremiam intensamente, minha vista já estava toda embaçada e a fraqueza era total, afinal já estava quase desmaiando. Consegui comer um gel de carboidrato com pão de mel e torrone e após uns minutos fui melhorando aos poucos. Durante os maus bocados que passei, pensava a todo momento em desistir de todos os treinamentos, e viagens e continuar a viver minha vida antiga, ficando em casa e curtindo a vida na medida do possível como a maioria das pessoas.

Como disse no inicio, paguei um preço alto pala falta de treino, e peço á todos que se preparem sempre, antes de praticar qualquer atividade física. Já em relação á minha decisão de parar com tudo.........
Estive pensando bem, e cheguei á conclusão que Deus me deu esta vida para que eu possa aproveitá-la e me divertir á beça. Após esta Maratona aprendi mais sobre mim do que qualquer outro dia de minha vida, e independente dos maus bocados meus finais de semana não serão sentado no sofá assistindo televisão ou passenado pelo shopping praticando o consumismo desenfreado que afeta grande parte da população, mas sim aproveitando intensamente á cada instante, viajando e descobrindo lugares diferentes e principalmente se divertindo seja nadando no mar ou em riachos.....seja correndo em ruas desconhecidas ou em trilhas sendo observado não por webcans, mas sim por animais que chegam a se sentir ameaçados por estarmos em seu território, mas que sabem que assim como eles queremos apenas aproveitar livremente cada instante pulsado pelo nosso coração....ou seja em cima de nossas magrelas, nosso brinquedo favorito, que nos faz feliz a cada sprint finalizado e faz nossa veia explodir de adrenalina nos inumeros Downhills morro abaixo pelas matas desse Brasil afora.
Resumindo, vou continuar viajando, praticando esportes e vivendo a vida a cada final de semana até quando Deus quiser que assim seja, e agradeço muito á ele e também minha mãe, minha namorada, meu irmão e meus amigos que me apoiam, porque no final das contas não quero chegar no final da minha vida todo legal, com um corpo e aparência bonitos e cheio da grana...mas sim quero chegar lá bem desgastado, meio que derrapando...e acima de tudo poder soltar um grito: CARAMBA ESTA VALEU APENA.
Próxima Prova: Triathlon Santa Cecilia TV dia 23/maio
Maratona do Rio em Julho e Maratona de Buenos Aires em Outubro confirmadas (Desta vez vou me preparar...rs)
Bons Treinos á todos....
inté.