VIVO NA CIDADE, MAS MEU ESPÍRITO CORRE NAS MONTANHAS

VIVO NA CIDADE, MAS MEU ESPÍRITO CORRE NAS MONTANHAS

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

SP OPEN DE BIATHLON - 4. ETAPA




No último sábado (15/10), estava preparado para mais um dia de trabalho em minha principal obra na cidade de Cubatão, a Reurbanização da Av. 9 de Abril, obra essa que vem me tirando o sono, e os treinos ultimamente, afinal a correria é diária das 07:00 ás 18:00.

Ao acordar no sábado ás 05:45, fui surpreendido pela chuva intensa que se espatifava no telhado de casa, ou seja, mais um dia perdido de mão de obra em minhas obras de pavimentação na cidade e Cubatão.

Para não perder o dia, arrumei minhas
trouxas rapidamente e fui á Santos, afinal era dia de SP open de Biathlon e as inscrisções eram permitidas no dia da prova.

Ao chegar em Santos, não pensei 2 vezes, e me inscrevi para a prova, e pela primeira vez na vida torci para a chuva continuar pelas próximas horas, para meu cordenador não cobrar minha presença na obra é claro.

Com muito frio, levei uns 5 minutos para tomar coragem e entrar no mar para o aquecimento.




Dada a largada, fiz a natação meia boca de sempre, e sai hiper cansado do mar, pra variar.

Já na corrida, fiz uma prova legal, fechando em 00:24:30, conquistando a 4. colocação em minha categoria, dentre 15 atletas.

Fiquei satisfeito, por fazer a melhor corrida dentre os 15 atletas de minha categoria.

Após o pódium, peguei o carro e fui voando para Cubatão, para coordenar minhas obras.



Vida de Triatleta é dificil, mas vida de Engenheiro é doideira....já quem tenta encarar os dois, precisa de tratamento na cachola.

Agora vamo trabalha e tenta treina, dia 27 férias, se tudo der certo dia 30 desembarque do outro lado do mundo.

Bons Treinos á todos.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

X-TERRA ILHABELA 2011






No dia 24/09 participei do meu segundo X-Terra Triathlon (1,9km natação, 29km mtb e 9km corrida), novamente na cidade de Ilhabela.
Com apenas 2 treinos em trilhas, para uma nova adaptação em minha MTB, já esperava uma prova duríssima, ou seja, o objetivo era apenas ser mais um SURVIVOR.
A chuva constante durante toda a semana indicava que o pior estava por vir, e como se não bastasse, na manhã da prova, a garoa continuava.






Devido ao atraso na hora de acordar, acabei tomando café 01:30 antes da prova, e no momento em que fui aquecer no mar antes da prova, uma ânsia de vômito chegou, sendo assim, parei o aquecimento e esperei o momento da largada.
Durante a largada, caí tranquilo no mar, e ao chegar na primeira bóia, fiquei impressionado com o respeito que os atletas tem, uns aos outros, fato que não existe no triathlon convencional.


Após sair do primeiro trecho, corri bastante cansado, e pulei sobre o píer (a primeira diversão da prova), para o segundo trecho da natação.
Já na bike, comecei bem, mas ao entrar na trilha a dificuldade era imensa, com inúmeras subidas, e quase todas descidas em Single Track. Por volta do km 5 da bike, perdi o controle da bike e literalmente capotei, batendo o joelho direito em uma pedra.
Rapidamente consegui levantar, independente dos cortes e hematomas, mas quando olhava para o joelho e via o sangue escorrendo, lembrava de meu emprego e das provas que tenho pela frente, o que acabou baixando meu psicológico durante o restante da prova.
O restante do mountaim Bike, venho á ser uma das provas mais sofridas da minha vida. A lama era total, e as subidas intermináveis. Como não podíamos empurrar a bike, pois a lama travava os freios e pneus, todos nós atletas carregávamos as bikes nas costas, extremamente pesadas devido ao barro, além de nossas sapatilhas, mais parecendo salto alto de tanto barro grudado.
Com certeza meu maior erro, foi não colocar um par de meias ao sair da água, sendo que por volta do km 7 da bike paguei caro por isso. Meus dedos dos pés estava na carne viva, devido ao atrito dos mesmos com a sapatilhas e a terra.
Após uma guerra absurda, terminei a bike e parti para os 9 km de corrida na mata.
Assim como a bike, a corrida era pura lama e subida á todo instante, mas após o km 2 consegui encaixar um pace legal e fazer uma boa corrida, mas infelismente já era tarde, pois o tempo perdido na bike foi muito grande.
Totalmente destruído, fechei a prova com o tempo de 04:15:22, e independente de todos os imprevistos, consegui baixar em 25 minutos meu tempo em relação ao ano passado.
Ao final da prova, agradeci muito á Deus principalmente, pois esta prova faz você refletir muito sobre a vida e após todas as batalhas vencidas, com certeza você pára para lembrar de cara metro percorrido e chega a conclusão de que você é GRANDE.
Um abraço á todos os atletas que participaram desta prova mágica, afinal vocês não são Guerreiros, mas sim Heróis.
Bons Treinos á Todos.