ULTRA BRUNO RIBEIRO

ULTRA BRUNO RIBEIRO

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

REI DA MONTANHA 2012





 No último sábado dia 22, tive o prazer de participar de mais uma prova que vem se tornando minha maior diversão ultimamente, ou seja, as corridas de montanha.

Realizada na cidade de Mogi das Cruzes, no distrito rural de Sabaúna,     local bem conhecido por mim, afinal já disputei 2 etapas da Copa Paulista de Mountaim Bike, por aquelas matas, a prova consistia em 3km, 7km, 21km (revezamento) e 21km solo.
Participando dos 21 km (1/2 Maratona) solo, encarei a "pedreira" um pouco acima do meu peso, o que acabou dificultando um pouco as coisas, devido á várias subidas existentes no percurso de 7 km, circuito este o qual tive que dar 3 doloridas voltas.
Durante o aquecimento antes da largada, já senti um pouco o excesso de peso, mas o fato da mesma ser ás 14:00 horas com um pouco de sol, este talvez foi a maior dificuldade inicial, mas pelo que aprendo a cada prova trilheira que venho fazendo, se não for o mais difícil possível, acredito que acaba perdendo a graça. Como é bom sentir-se  preso, sozinho dentre a natureza, e saber que ela está olhando para você e pensando: - Cara, hoje eu vou fazer você sofrer! Mas que no fundo ela está feliz por estarmos lá se divertindo ao seu lado.


 Logo na largada, encaramos uma subida, para testar os nervos dos que lá estavam, e em seguida entramos no estradão de terra, onde pude imprimir um ritmo confortável, enquanto muitos forçavam bastante, e é claro, pagariam caro mais afrente.
Na primeira subida longa, comecei ultrapassar alguns atletas, e percebi que independente do excesso de peso, estava com um condicionamento legal para aquele tipo de terreno.
Por volta do quinto quilômetro, uma descida insana, fez com que as coxas ardessem bastante, por incrível que pareça, mas o que mais preocupava era a atenção constante, afinal um escorregão naquele local, fazia um estrago bem grande. Fato este ocorrido entre algum atletas menos atentos no decorrer da prova.
 Após a última subida do percurso, entramos em uma estradinha entre uma imensa área completamente infestada de árvores de eucalipto, e a falta de ar fruto da fadiga e principalmente das subidas, era regenerada com aquele ar puro e refrescante, enquanto na maioria das vezes sozinhos, respirávamos aquele ar puro e ouvíamos nossos passos solitários, chocando-se com as folhas secas que se encontravam na estradinha de terra, ou seja, SENSAÇÃO INEXPLICÁVEL, que dinheiro algum paga.
Diversão á parte, completei a primeira volta, e enquanto os atletas da prova de 7 quilômetros recebiam os louros da conquista, eu sabia que ainda tinha mais duas doloridas voltas pela frente, ou seja, sorte a minha, afinal, tinha mais duas voltas de aventura e curtição por entre aquele local mágico.

Já na segunda volta, muitos atletas que ousaraam na tática de forçar a barra no início, pagavam caro, com a falta de condicionamento e o cansaço intenso, fruto do difícil percurso da prova. Ao chegar nas subidas longas, muitos atletas caminhavam, inclinando suas colunas para frente, se esforçando bastante para chegar ao cume, e voltar ao ritmo de prova.





 Neste instante, consegui tirar proveito da situação, e ultrapassar vários atletas, abrindo certa vantagem, sobre aqueles que exibiam suas habilidades principalmente nos trechos planos.
Como de costume, usei e abusei dos copos de água para molhar o corpo, mas no meio da prova, o tempo virou e o frio chegou para dificultar um pouquinho mais as coisas, afinal, estava totalmente encharcado de água.


Ao fechar a segunda volta (14 km), sabia que tinham mais 7 quilômetros bem sofridos, mas sentia que estava bem, e minha maior preocupação era a distribuição dos atletas por entre o percurso. Por vários trechos corria sozinho e não fazia ideia de que posição estava, mas sabia que estava razoavelmente bem na prova.
As subidas na terceira volta, foram devastadoras para minhas panturrilhas e coxas, mas da mesma forma em que sentia com as dores físicas, uma certa sensação de tristeza tomava conta de mim, afinal, em alguns minutos aquela diversão viria á acabar, e a vontade de continuar me divertindo era grande.
Durante a longa descida, o cuidado foi dobrado, para evitar uma queda, afinal já estava bem desgastado, e uma falsa reação nas pernas não era uma coisa tão difícil de acontecer.



Após a última subida, joguei 2 copos de água no corpo, independente do frio que estava piorando cada vez mais, e dei um gás no ultimo quilômetro para fechar a prova bem.
Após 01:42:11 fechei minha primeira Meia Maratona em Corrida de Montanhas, feliz da vida, conquistando o 6. lugar geral, dentre 46 atletas que participaram da distância. Fiquei mais feliz ainda ao saber que atletas de elite estavam entre os cinco primeiros no pódium, que desta vez bateu na trave. Mas como posso me lamentar, se mais uma vez fui abençoado por estar em lugar tão lindo, tendo a oportunidade de fazer uma das coisas que mais gosto na vida.
Obrigado Deus mais uma vez por este dia, e parabéns á todos os atletas que estavam ao meu lado desfrutando daquela natureza mágica.
Vamo que vamo, que em breve tem mais.
Bons treinos á todos e FAÇAM O BEM UNS AOS OUTROS.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

CORRIDA DAS TORRES 2012

                      CORRIDA DAS TORRES 2012




Olá pessoal, no dia 04 de agosto de 2012, tive a oportunidade de voltar a me "divertir" em meu playground favorito, ou seja, as montanhas cheias de trilhas, raizes, lama, cachoeiras, e muito perrengue.
Além das subidas fortes em montanha, o sol escaldante foi o tempero adicional, no que se refere á dificuldades aos atletas participantes, afinal a largada foi realizada em um sábado ás 14:00 horas.
Dada a largada, larguei meio cauteloso, pois tinha comido um pouco além da conta, e estava preocupado com um possível desconforto estomacal, mas após uns 5 minutos de prova, fui me sentindo cada vez melhor, e assim imprimindo um ritmo bacana por entre as estradas de terra, enquanto entravamos mato adentro.
No terceiro quilômetro as primeiras subidas começaram a aparecer, desacelerando os menos preparados para aquele tipo de dificuldade e quando chegamos no quilometro 5, as subidas fortes vieram, impossibilitando darmos continuidade á corrida, tendo que caminhar morro acima, enquanto nossas colunas estalavam de dor, e o que dizer então das panturrilhas, que ardiam que nem pimenta forte...rs
O sol forte castigava os que lá estavam, e as intermináveis subidas eram as culpadas pelas assustadoras respirações ofegantes de todos. Mas como tudo tem um lado bom, após as subidas, vinham as descidas e podíamos nos divertir bastante desviando de galhos, raízes, pulando riachos....ou seja, a mais pura diversão.
Após o trecho técnico, vinha o estradão novamente, e ao contrário do ano passado, os cachorros não vieram atrás para morder nossas canelas, mas os latidos estridentes não faltaram.
Os últimos 3 quilômetros de prova foram no estradão de terra, e independente do sol forte, consegui manter um ritmo bom, e ultrapassar alguns atletas, para no final fechar os 12 quilômetros em 01:05:41, conquistando a primeira colocação em minha categoria, dentre os 27 atletas da mesma, e a décima colocação geral entre 169 atletas.
Agradeço á Deus, mais uma vez pela saúde que recebo á cada dia e principalmente por mais esta diversão, que sem dúvida, não tem preço.
Peço á todos que ao menos possam  se divertir mais e deixar de ficar se lamentando da vida, ou assim como dizia Raul Seixas:
EU QUE NÃO ME SENTO NO TRONO DE UM APARTAMENTO, COM A BOCA ESCANCARADA CHEIA DE DENTES ESPERANDO A MORTE CHEGAR.
Bons treinos á todos e FAÇAM O BEM UNS AOS OUTROS.